Distância é o de menos para competidores do Centro-Oeste

publicado em: 07/04/2012

Dupla do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul está mais preocupada com outros desafios do 4º Transcatarina.

 
O frio já mostrou que pode vir forte neste ano na região sul do país. No início do outono, há aproximadamente um mês, cidades da Serra Catarinense registraram temperaturas negativas. Enquanto uns ficaram felizes com a notícia, outros veem isso como incentivo para ir às compras e providenciar mais casacos e preparar melhor do carro para suportar o frio. Este é um dos desafios que Olair Fagundes e Robson Contador Buhr terão entre os dias 18 a 21 de julho.
 
A dupla vem da região Centro-Oeste, precisamente de Coxim/MS e Cuiabá/MT. A temperatura média nas duas cidades é de 27°C, enquanto em Fraiburgo/SC, cidade sede da largada do rali do maior rali de regularidade catarinense, essa marca fica na casa dos 14°C. Piloto e navegador inscritos na categoria Super Master irão competir o Transcatarina pela terceira vez. Por mais que eles sintam mais frio do que outros competidores, a dupla quer mesmo é ver gelo: “Encarar o frio é o pior desafio, mas o visual que ele proporciona é maravilhoso! Aqui pra cima temos 40°C graus quase todos os dias. Nosso inverno é o verão no resto do país! No Transcatarina, principalmente em 2010, nosso primeiro ano no rali, sentimos o que é frio de verdade! A gente nem sai do carro nos neutros e ficamos dentro do jipe curtindo o ar quente! Mas tomara que neste ano tenhamos frio e bastante! O visual que o inverno proporciona em Santa Catarina é muito bonito! A beleza na trilha, a gente andando em cima de gelo... É muito bacana!”, conta Robson.
 
Quando questionados sobre a distância para se chegar a Fraiburgo e depois para voltar ao Centro-Oeste, os competidores tiram de letra. Em 2010, a dupla teve um imprevisto em Rio do Sul, quando o jipe teve um problema mecânico e eles tombaram. Tiveram de rebocar o carro até o litoral, curtiram a festa da chegada, mas ainda tinham que percorrer mais de dois mil quilômetros para voltar pra casa: “Foi cansativo porque fomos e voltamos no mesmo carro. Na ida foi como se diz ‘pra baixo todo santo ajuda’, então nem ficamos tão cansados, mas na volta... Ficamos exaustos e no ano passado fizemos diferente, formando uma equipe maior e fretamos um caminhão para levar os carros. Ida e volta pra casa foi de avião e devemos fazer o mesmo neste ano”, afirma Olair.
 
Recentemente, muitos competidores das regiões Sul e Sudeste participaram do 12º Rally da Selva e sentiram o peso da logística feita por Olair e Robson: “Começamos a compartilhar os ralis entre nós competidores e chamamos muita gente pra vir andar aqui. Eles viram as dificuldades que passamos quando descemos”, conta o navegador sul-mato-grossense.
 
O terceiro grande desafio da dupla é vencer as dificuldades do Transcatarina e na categoria mais disputada do grid. Olair e Robson estão juntos desde 2008 e antes competiam provas regionais, até conhecerem outros ralis de grandes distâncias. Mesmo novatos e em uma categoria difícil, eles não querem aliviar: “Estamos com pensamento positivo para este ano. A gente tem andado em outras provas, aqui perto de casa e longe. Sempre nos damos bem, perdemos poucos pontos. Ao final de cada rali, analisamos nosso desempenho e traçamos estratégias para melhorar. Assim vai ser no 4º Transcatarina. Mesmo sabendo que nossos concorrentes são fortes, vamos tentar se igualar aos da ponta. Adoro perder pra gente boa!”, conta animado o piloto Olair.
 
A expectativa também é grande para o navegador Robson. A meta deles é de ficar entre os seis primeiros da Super Master, aprender ainda mais e esperam a melhor de todas as edições do rali de regularidade: “Queremos subir ao pódio, mas daqui até lá o caminho é longo. O Transcatarina é um rali difícil, onde muita gente anda bem. A técnica das trilhas tem de ser precisa e Santa Catarina tem se tornado uma escola para mim e ao Olair. Andar com pilotos e navegadores de ponta nos proporciona um aprendizado enorme. Antes tínhamos uma série de dificuldades, às vezes nem completando provas, e atualmente melhoramos nossas performances. Ficando até entre os dez melhores. Acho que neste ano teremos o melhor Transcatarina de todos!”.
 
Junto com Olair e Robson, cerca de sete carros descerão da região Centro-Oeste para Santa Catarina. O 4º Transcatarina vai percorrer 800 quilômetros em quatro dias de rali de regularidade. Até agora, 173 carros vão participar desta aventura. São equipes do próprio estado, do Rio Grande do Sul, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Bahia. Garanta sua vaga no site www.transcatarina.com.br.
 
O Transcatarina tem o patrocínio: Ensimec, Hotel Renar, Troller e Santur.
Apoio: Prefeitura de Balneário Camboriú, Prefeitura de Lages, Prefeitura de Rio do Sul, Prefeitura de Fraiburgo, Prefeitura de Apiúna, Lave Bem Lavanderia, Recanto das Águas Resort e Spa, Grafimax, Revista Planeta Off Road, Blukit, Posto Brasília/Ipiranga, Ativa Comunicação, ATF Embreagens, Astra Embreagens, Reunidas, Megaforth, Governo do Estado de Santa Catarina, Funturismo e Secretaria de Estado de Turismo, Cultura e Esporte.
 
Supervisão: Fauesc. Realização SC Racing em parceria com o Jeep Clube de Blumenau.
 
 
 
Por: Caroline de Paula / AcelerAção Assessoria de Imprensa
Fotos: Junior Almeida e Divulgação
Fale conosco
Fale conosco pelo WhatsApp